Russomano quer tornar crime mentir sobre prazo de entrega de produtos e serviços

Câmara Federal
Projeto de lei 1752/2015

O artigo 66 do Código de Defesa do Consumidor (CDC) pode ganhar nova redação a partir de uma proposta do deputado federal Celso Russomano (PP-SP).

O parlamentar sugere tornar crime “fazer afirmação falsa ou enganosa sobre o prazo de entrega de produtos e serviços”.

Na justificativa, sem citar dados concretos, Russomano fala que “as principais queixas nos órgãos de defesa são aquelas referentes ao descumprimento do prazo de entrega de produtos ou serviços”.

“Atualmente, a legislação não prevê consequência penal para essa conduta. Todavia, tornou-se insuficiente apenas a mera possibilidade de cobrança de multa por parte do consumidor”, comenta o parlamentar. “É preciso inibir essa conduta apenando o comerciante que, dolosamente, comete essa prática, principalmente como forma de alavancagem de suas vendas”.

A íntegra do projeto de lei 1752/2015 – apresentado em 28 de maio – está disponível no site da Câmara Federal.

Analise esta proposta no @leisemprojeto.

Pena por homicídio contra promotor, juiz e agente poderá ser 50% maior

Senado
Projeto de lei 315/2014

O crime de homicídio cometido contra juiz, membro do Ministério Público ou agente de segurança pode render ao infrator uma pena entre 33% e 50% maior, segundo o projeto de lei do senador Lobão Filho (PMDB-MA).

Na justificativa, o parlamentar aponta que “o crime organizado vem travando uma verdadeira guerra contra o Estado”. “A ousadia dos bandidos é tamanha que eles intimidam juízes, promotores e policiais, que se sentem acuados, sem a necessária garantia para o escorreito desempenho de suas funções”.

“Este projeto, então, é no sentido de coibir, pelo incremento da pena, o cometimento de homicídio contra juízes, promotores e servidores do sistema de segurança pública, quando o crime for cometido contra essas pessoas, em razão de sua função”.

A íntegra do projeto de lei 315/2014 – apresentado em 5 de novembro – está disponível no site do Senado.

Dê sua opinião sobre esta proposta no @leisemprojeto

Crime cometido dentro de transporte público poderá ser agravante ao infrator

Senado
Projeto de lei 253/2014

O criminoso que agir dentro de transporte público ou em terminais de passageiros (incluídos pontos de embarque e desembarque) poderá ter o local como um agravante para uma pena mais dura, propõe o senador Jorge Viana (PT-AC).

“A aglomeração de pessoas no interior dos transportes públicos e nos terminais ou pontos de embarque ou desembarque favorece a prática de crimes, uma vez que dificulta a percepção e reação da vítima, sendo que, nos casos de delitos que envolvem violência, o excesso de indivíduos no local impede a defesa ou a fuga do ofendido”, observa o parlamentar.

“Diante desses fatos, e no intuito de coibir essa situação, propomos que seja agravada a pena para os crimes praticados no interior de transportes públicos e nos terminais ou pontos de embarque ou desembarque”, justifica Viana, sem citar, em momento algum, como a pena seria agravada.

A íntegra do projeto de lei 253/2014 – apresentada em 25 de agosto – está disponível no site do Senado.

Comente a proposta no @leisemprojeto

Imagem de menor infrator não poderá mais ser protegida, propõe deputado

Câmara Federal
Projeto de lei 7553/2014

A imagem da criança ou do adolescente que cometeu crime poderá ter sua divulgação liberada caso o projeto de lei do deputado federal Marcos Rogério (PDT-RO) seja aprovado.

“O Brasil assiste, hoje, a um recrudescimento da violência infanto-juvenil sem paralelo em nossa história”, analisa o parlamentar em sua justificativa. “A sociedade tem sido vitimada por indivíduos que se aproveitam das garantias do ECA para cometer verdadeiras atrocidades contra os cidadãos de bem”.

A proposta alteraria a lei 8069/1990, que instituiu o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), revogando seu artigo 247, que proíbe a exibição da imagem do infrator.

“Consideramos que a sociedade brasileira já está madura o suficiente para decidir não punir quem divulga imagens ou outros dados que podem conduzir à identificação de um delinquente, seja de que idade for”, argumenta Rogério.

A íntegra do projeto de lei 7553/2014 – apresentado em 14 de maio – está disponível no site da Câmara Federal.

Dê sua opinião sobre esta proposta no @leisemprojeto.

Incitação virtual ao crime poderá tornar-se infração

Câmara Federal
Projeto de lei 7544/2014

Publicar, por meio de rede social ou de qualquer veículo de comunicação virtual, conteúdo que incite a prática de crime ou de violência à pessoa poderá ser passível de detenção caso o projeto proposto pelo deputado federal Ricardo Izar (PSD-SP) torne-se lei.

O infrator, nesse caso, poderá cumprir de 6 meses a 3 anos de prisão, além de pagar uma multa. Já se houver morte ou lesão corporal na pessoa atacada, a pena ficará 33% maior.

‘O projeto de lei visa coibir a prática da veiculação irresponsável de imagem, informação ou de qualquer outro conteúdo, seja ele verídico ou não”, justifica o parlamentar, citando o caso da dona de casa morta em linchamento no Guarujá, litoral de São Paulo, porque foi confundida por uma suposta sequestradora.

A íntegra do projeto de lei 7544/2014 – apresentado em 13 de maio – está disponível no site da Câmara Federal.

Dê sua opinião sobre esta proposta no @leisemprojeto.

Menor reincidente poderá ter emancipação penal automática

Senado
Projeto de lei 230/2013

O adolescente cometer um crime por duas vezes poderá ser emancipado automaticamente para ser penalizado com mais rigor. A proposta é do senador Gim Argello (PTB-DF).

https://i0.wp.com/jornalcidade.uol.com.br/fotos/fotos_1202162828000000.jpg

Uma das unidades da Fundação Casa, que abriga os menores detidos – Foto:http://jornalcidade.uol.com.br

“Urge admitir que se deve dar ao infrator reincidente um tratamento diverso daquele conferido ao adolescente que entra em conflito com a lei pela primeira vez”, argumenta o senador.

“Como acontece com milhares de adolescentes infratores, eles podem voltar a delinquir antes de completar os 18 anos de idade”, complemente.

A íntegra do projeto de lei 230/2013 – apresentado em 13 de junho – está disponível no site do Senado.

Deputado quer prioridade de julgamento para crimes hediondos

Câmara Federal
Projeto de lei 5766/2013

Vieira da Cunha, deputado federal pelo PDT do Rio Grande do Sul, não acredita que “latrocínio, extorsão qualificada por morte, estupro e outros crimes bárbaros possam ter o mesmo tratamento processual de delitos mais leves”.

Por isso, ele apresentou um projeto de lei que dá prioridade de julgamento para crimes hediondos.

https://i1.wp.com/www.edgarlisboa.com.br/wp-content/2012/02/Vieira-da-Cuinha-2.jpg

Vieira da Cunha (PDT-RS) – Foto: http://www.edgarlisboa.com.br

“Se a demora da prestação jurisdicional gera indignação nas causas em geral, a revolta é maior quando tardam as decisões nos julgamentos dos crimes mais graves”, argumenta Cunha.

A proposta do deputado modificaria, então, a lei 3689/1941, especificamente no artigo 801 do Código de Processo Penal.

A íntegra do projeto de lei 5766/2013 – apresentado em 12 de junho – está disponível no site da Câmara Federal.